logo-dnh-horizontal-negativo-0500

Retiro das equipes de Cáritas paroquiais

Rede Cáritas a Serviço da Solidariedade e da Promoção Humana

MUITA GENTE PEQUENA, EM MUITOS LUGARES PEQUENOS, FAZENDO COISAS PEQUENAS, MUDARÃO A FACE DA TERRA (Provérbio Africano) ·

No ano de 2022, a Rede Cáritas da Mitra da Diocese de Novo Hamburgo era composta por 585 agentes caritativos, que compõem as 47 equipes de Cáritas paróquias na Diocese. As mesmas, dinamizam o trabalho nas paróquias com a assessoria da equipe técnica. As ações ofertadas estão em consonância com a Missão da Cáritas e da Política Nacional de Assistência Social/SUAS, com Lei Orgânica de Assistência Social (LOAS), com a Tipificação Nacional dos Serviços Socioassistenciais, com as Resoluções do Conselho Nacional de Assistência Social – CNAS e demais normativos no âmbito da Assistência Social.

As equipes de Cáritas paróquias promoveram projetos/programas/serviços no âmbito da Assistência Social, tais como:

I- Projetos para a Defesa e Efetivação dos Direitos Socioassistenciais.

Esses projetos compõem o conjunto das ofertas e atenções da política pública de assistência social, articuladas à rede socioassistencial. Eles possibilitaram a abertura de espaços e oportunidades para o exercício da cidadania ativa, no campo socioassistencial, a criação de espaços para a defesa dos direitos socioassistenciais, bem como o fortalecimento da organização, autonomia e protagonismo dos usuários dos serviços.

Nesse sentido, as equipes de Cáritas realizaram (mensalmente) o acolhimento de 3.648 famílias, que foram orientadas e mobilizadas para acessar seus direitos junto a rede socioassistencial. Para além, prestaram a solidariedade por meio das cestas básicas, roupas, calçados, fraldas geriátricas, entre outros. Esse trabalho configuraram-se como estratégia de enfrentamento à questão social e suas expressões, na promoção e implementação de novas políticas públicas, na universalização dos direitos sociais e ampliação da cidadania por meio da publicização aos direitos sociais básicos, mobilização e articulação do trabalho com a rede socioassistencial, garantindo a possibilidade e abertura de espaços para o exercício da cidadania ativa, para a efetivação dos direitos socioassistenciais, bem como o fortalecimento da organização, autonomia e o protagonismo dos usuários.

II- Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos – SCFV

O Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos – SCFV pautou-se no caráter

II- Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos – SCFV

O Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos – SCFV pautou-se no caráter preventivo e proativo, com vistas ao alcance de alternativas emancipatórias para o enfrentamento das vulnerabilidades sociais de crianças e adolescentes.

Nesse sentido, 4 equipes desenvolveram o SCFV beneficiando 197 crianças e adolescentes na faixa etária de 07 a 17 anos. As ações realizadas, visando à formação do exercício da cidadania, a autonomia, o protagonismo, a formação, o encaminhamento e a convivência comunitária, por meio de oficinas, encontros, formações, respeitando-se os interesses e a faixa etária de cada um dos atendidos.

O SCFV caracterizou-se em espaços de convivência social e em atividades orientadas, como atrativo catalizador para ressignificar a realidade social na qual os envolvidos estão inseridos, estimulando a permanência das crianças e dos adolescentes no sistema educacional e, consequentemente, proporcionando experiências de sociabilidade e prevenção de situações de risco social.

III- Projetos de Geração de Renda

O ano de 2022 começou repleto de incertezas políticas, a falta de emprego digno, elevado custo de vida que agravou a insegurança alimentar e nutricional de grande número de famílias. Nesse sentido, as equipes de Cáritas Paróquias arregaçaram as mangas e decidiram enfrentar juntas essa realidade, fomentando as alternativas de trabalho e renda (cursos e oficinas) para 508 usuários da assistência social. Essas são resultados de um esforço de planejamento e execução da Cáritas local envolvendo parcerias e financiamento do Sicredi, CNBB, Universidade Feevale, SENAR, emendas do Poder Público e Lions que contribuíram na realização dos cursos de culinária e panificação, corte e costura, pintura em tecido, jardinagem, entre outros. Para além, as equipes de Cáritas paróquias dinamizaram as oficinas com recursos próprios (bazar solidário) , como: artesanato: Crochê, trico, pintura em tecido, patchwork, tapetes, confecção de bolsas, toalhas, panos de prato, produtos natalinos; oficina do sabão (reaproveitamento do óleo); Manicure, design de sobrancelhas, culinária e panificação / sabores Natalinos com as oficinas de bolachas, cucas, panetones, geleias (reaproveitamento das frutas), entre outros.

As ações foram emancipatórias, com ênfase na autonomia, estimulando a sustentabilidade, a criatividade e a pro atividade de todos os envolvidos. Essas referências do trabalho encontraram sua efetividade nas ações de caráter preventivo e de suporte para a saída das pessoas em situação de vulnerabilidade.

O Projeto de Geração e Renda visa potencializando o desenvolvimento do empreendedorismo e da capacidade de autogestão, na perspectiva da economia solidária. Nesse sentido, a Cáritas diocesana e seis equipes de Cáritas paróquias, participam do Fórum da Economia Solidária, com a finalidade de garantir espaços de participação nas feiras da Economia Popular Solidária. Para além, algumas equipes de Cáritas paróquias realizaram feiras nas comunidades para que as participantes pudessem expor seus trabalhos e comercializar. O resultado foi fantástico, isso as impulsionou a produzir o artesanato. As expectativas de que é possível, obter um retorno financeiro, foi superado. Várias participardes ficaram surpresas com o retorno financeiro de seus barbalhos.

Como impacto social podemos destacar

Grande aprendizados e novas amizades

– Melhoria da qualidade de vida das mulheres e de suas famílias por meio da produção própria e venda informal;

– Iniciativa de empreendedorismo e inserção na economia popular e solidária – Experiência de venda na feira da FENAC e nas feiras das paróquias

– Maior empoderamento das mulheres para exercer sua cidadania

– Maior consciência ecológica – reaproveitamento dos retalhes.

Socialização dos conhecimentos produzidos junto aos diferentes atores da política de assistência social;

– Incidência na redução da pobreza e demais vulnerabilidades e riscos sociais;

– Fortalecimento e autonomia dos sujeitos, grupos e comunidades por meio das redes de produção solidária e da utilização de tecnologias inovadoras;

– Fortalecimento e qualificação das organizações de usuários e movimentos sociais quanto ao seu planejamento, captação de recursos, gestão, monitoramento, avaliação, oferta e execução dos serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais e para sua atuação na defesa e garantia de direitos;

Fortalecimento da participação, da autonomia e do protagonismo de movimentos sociais, organizações de grupos populares e de usuários;

– Identificação das potencialidades, mobilização e organização dos grupos e lideranças locais, por meio de sua articulação com a política de assistência social e demais políticas públicas;

– Participação e intervenção nas instâncias e espaços de participação democrática.

– Intensificação da promoção humana. Missão da Cáritas.

Se quiseres matar a fome de alguém dá-lhe um peixe. Mas, se quiseres que ele nunca mais passe fome, ensina-o a pescar. Provérbio Chinês João Doria

Autor(a): Cáritas NH

Direitos da Imagem: CÁRITAS NH

Tags

Leia também...